sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

a canção lógica

bateu com as duas mãos na mesa e empurrou bruscamente a cadeira na qual permanecia sentada há pelo menos umas três horas.

resolveu sair. impossível que o ar fresco da rua não estivesse mais agradável que a casa escura e cheia de pó.

ela mesma andava se sentindo cheia de pó e cheirando a mofo. tentativas de resgatar as traças do armário com a porta quebrada.

bateu com as duas mãos na mesa. ouviu logical song bem alto e lembrou de um filme. (magnolia) . era depressivo. mas quem se importava? a Julianne Moore continuava linda e o Tom Cruise parecia sério . lembrou dos sapos caindo do céu no final . mexeu no cabelo. foi atrás de um número na agenda de telefone. um isqueiro perdido e o pé esquerdo da sandália . nem mesmo foi nesta ordem...

qualquer coisa que tirasse seus pés do chão e espantasse a louca vontade de dormir a todo momento.

nada parecia fazer muito sentido. mas ninguém se importava . o que ela era queria era sair por aí dançando e cantando...

"please tell me who I am, who I am, who I am, who I am"

definitivamente, isso era algo que ela não sabia...



Sólo tenerte cerca, siento que vuelvo a empezar...

Não sei vocês, mas ela me deixa muito feliz...

Julieta!!





"Yo te quiero con limón y sal,
yo te quiero tal y como estás,
no hace falta cambiarte nada.
Yo te quiero si vienes o si vas,
si subes y si bajas y no estás
seguro de lo que sientes"


quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

recuerdos...

um ano atrás...

eu subia e descia escadas sem cansar.
tinha filmes e filmes para revelar. de familias felizes comemorando "la nochebuena".
era cordial com as pessoas e pedia só um pouco de atenção. 
e elas me davam.
paravam por alguns segundos . me olhavam . posavam para a foto e logo retomavam o assunto novamente...
eu juro que ainda posso lembrar do rosto de cada uma delas.
há um ano eu comia os amanteigados e  chocolates deliciosos que vieram na caixa de presente da "firma".
lembro que fiquei muito feliz . queijos. vinhos e doces faziam parte do presente..
um ano atrás eu tomava um trago com os amigos brasileiros na esquina da praça real . e como me divertia com eles...
há um ano eu já contava os dias para voltar. sentia uma felicidade grande ao lembrar o que me esperava, mas me doía muito pensar no que deixaria por lá.

um ano atrás nós nos abraçamos às três da manhã e assim desejamos "um feliz natal"

e eu lembro que fazia muito frio naquela noite...

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Se todos fossem iguais a você....

depois de alguns copos de chopp, a frase dela foi a seguinte:

- com certeza, eu trocaria um gurizão pela companhia do Vinícius em uma mesa de bar...

e quem não trocaria?


quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Eu finjo ter paciência...

Murphy já disse um dia que se algo der errado uma vez, certamente dará errado novamente. acho que até posso dizer que se algo der errado em um dia, fique atento porque no outro dia você também pode ser surpreendido.

quando eu acho que tudo que já teria pra acontecer neste ano já passou...sejam as coisas ruins, sejam as coisas boas (onde estão estas mesmo?) surgem mais ainda e me surpreendem, há menos de 15 dias pra acabar o ano.

ontem. meio dia. meu carro resolveu dar uma banda sozinho ladeira a baixo e encostou no carro que tava estacionado atrás, mesmo com o freio puxado. preju n°1

hoje. nove da manhã. um caminhão de mudança cruza meu caminho, resolve trocar de pista e me levar junto. junto com minha paciência. minha boa vontade de desejar bom dia pra alguém e parte do meu salário. preju n° 2

enfim, eu ainda tenho aquela mania de pensar "tudo bem, é só material, poderia ter sido pior e blá blá blá".

poderia sim. poderia ter caído morro abaixo, poderia ter batido a cabeça. poderia nem contar a história. mas e aí? consolo não conserta carro e nem melhora o mau humor...

numa dessas eu só consigo pensar numa frase que minha ex-chefe Esther falaria num momento assim:

- ¡¡Joder!! que mala ostia, tía!

No mais, conto os dias pra que 2.0.0.8 acabe de uma vez, que meu carro colabore mais comigo, que eu compreenda mais o trânsito e torcendo pra que Murphy não tenha tanta razão assim...




terça-feira, 16 de dezembro de 2008

mapa do meu nada

conversando com uma amiga hoje, eu disse que tinha certeza que ainda tinha algum sentimento por alguém, mas que ele andava tão perdido que eu não tinha noção mais onde estava.

eis que ela responde, não te preocupa porque ele tem um mapa e sabe como encontrá-lo outra vez!

é isso!talvez precise de um mapa e de ajuda para achá-lo denovo.


Você é dedo que eu te quero, tocou
Você é beijo que eu te quero, beijou
Você é Vênus que eu te quero, soprou
Não sou desses homens, eu te quero, atenção
dedo deduz, dedo é dez se é dois
Tocando essa cor desde os pés do teu chão
Buscando afinar um satélite à-toa
Não sou desses homens, eu te quero há um tempão
Doido desejo chupando dedo num beco
cheio de bêbados trêbados
Chutando os prédios, pregando prego no prego
Réu da razão, do suplico, cuspe fútil
Nessa estrada cariada
Só você é o meio-fio de luz
Contramão sinalizada
No mapa do meu nada
Canção emocionada
Trajeto por teus fios

carlinhos brown

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

me belisca?

saí às 18h do escritório hoje. às 18h20 cheguei em casa, com a grande ajuda da tranquilidade que tava a 116 no final de tarde. às 18h25 eu já havia trocado de roupa e às 18h27 eu me encontrava debaixo de um edredon fofinho e um barurilho de um ventilador no máximo.
sim, tinha sono, muito sono e tinha que dormir um pouco.

não dormí mais do que cinquenta minutos, o suficiente pra me acordar mais disposta, não fosse o sonho maluco que eu tive nesse rápido "cochilo". nele, uma grande mistura do meu confuso dia e coisas que, definitivamente, não sei de onde minha cabeça resolveu tirar.

no sonho, um colega que passou o dia inteiro pedindo carona pros demais pra voltar pra casa, agora dirigia um carro; já o outro que, na realidade, tem uma moto, era quem tentava a carona.

durante o dia, passei(passamos) esperando pelo bendito depósito no Banco do Brasil, relativo ao adiantamento. no sonho, eles incrivelmente haviam depositado em dobro!

a gisele foi comigo no caixa eletrônico e não satisfeita com o salário, já fazia a previsão de que não chegaria ao final do mês e já alertou que teria que pedir dinheiro emprestado pra Naty(?)

ainda na loucura do sonho, estava eu em um posto de gasolina dando carona para uma menina muito mala da UJS de Caxias(???). a guria se chamava shirley(a cabelereira) e tinha a cara da grampola da novela(alguém lembra?), além de ser baixista de uma banda de reggae.

dela, eu lembro que eu pedia pra chamar uma pessoa do outro lado da rua, já que eu tava com a garganta inflamada. e ela me disse que não ia chamar. e eu ali pensando:

- que desconsideração dessa hipponga. dei carona e ainda não quer me fazer um favor.

nessa confusão toda em cinquenta minutos, eu lembro do desfecho.
bem, eu logo que dispensei a mala da bixo grilo da UJS encontrei um amigo. dali seguiríamos rumo a um lugar, digamos, bem, hum....deixa pra lá..
pois é..
alguma coisa tinha que ser real e normal no sonho.
mas era tarde demais . meu sonho foi abruptamente cortado pelo despertador do celular.

domingo, 14 de dezembro de 2008

Barcelona: tão longe, tão perto

Nos últimos dias, nada me deixa mais alegre do que pensar e recordar dos momentos bons em Barcelona.

Incrível, mas quase completando um ano da minha volta, me sinto cada vez mais próxima novamente da cidade.

Aí, ontem vasculhando na internet, descobri no blog da Carol Bensimon, que está em Paris, uma grande dica de um novo serviço do Google!

É o Street View. Com a ajuda do bonequinho amarelo, a pessoa caminha pelas ruas de algumas das principais cidades do mundo, tendo uma visão de 360 graus. Entre elas, Paris e a querida Barcelona.

Bom, Paris é Paris. Não perdi muito tempo relembrando da cidade, pq só estando por lá pra ter noção da beleza e, ao mesmo tempo, da sujeira da capital da França!

Mas rever as ruas da capital catalã outra vez foi fantástico. Mostrei pra minha mãe, o caminho que percorria da minha casa até o trabalho e ela me saiu com essa:

- Bah! Quero conhecer essa cidade! É tudo limpo e lindo!

É muito louco. Me senti fazendo parte da cidade outra vez. A vontade que dá, é pegar uma bicicleta e sair pedalando, ou descer em uma das estações de metrô, ou entrar em um bar e pedir uma caña bem gelada. É uma sensação de voltar a viver outra vez por lá!!

Bom, sugiro que vocês tentem conhecer um pouco da minha cidade! Sim, Barcelona é a cidade que pretendo viver novamente!

Digita no Google Mapas "Barcelona Rambla de Canaletes". Você vai sair no centro da Cidade, na Praça Catalunya. Quando surgir o bonequinho amarelo, dê uma volta pela centro.

Se tiver paciência, e digitar "Passeig de Colom", irá sair numa das minhas ruas favoritas, que começa na estátua do Cristóvão. Indo em direção ao norte, vc vai poder ver uma escultura enorme do Roy Lichstensen. Um pouco mais pra frente, começa a praia da Barceloneta!

É isso! Bem vindos a Barcelona. Bom passeio!! Deixo alguns dos lugares que matei saudade!



Minha última casa, era nesse prédio à esquerda. Só que mais pro meio. Calle Guardia, bairro: Raval


Passeig de Colom. Uma das minhas ruas favoritas!!


Calle Mallorca. primeira casa em BCN. Uma quadra da Sagrada Família


Rambla querida!

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

dessa vez foi tudo diferente

dessa vez foi tudo diferente.

esperei alguns muitos e longos dias pra chegar num momento e quando ele chegou eu incrivelmente queria que acabesse logo. não sei explicar o porquê, talvez nem tivesse muita certeza do que eu queria, mas desejava que acabesse o mais rapido possivel.

sempre existiram mais personagens envolvidos, mas vejo que cada vez mais me torno a coadjuvante da história. e sinceramente, não quero ter um papel secundário de uma história que eu mesmo criei e fui construindo.

talvez o erro esteja ali. querer construir demais, algo que não tinha sequer um alicerce.

dessa vez foi diferente de todas as outras vezes. o sorriso no inicio já não era tão alegre, era tenso, nervoso demais, irônico demais.

dessa foi foi diferente. começou com um risada sem graça e acabou com um olhar triste e perdido.

só não teve lágrimas, se não ia ficar muito dramático, nada parecido com a comédia romantica que eu havia imaginado...

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

encontrando músicas...

O mais legal de ouvir até cansar um cd é ainda conseguir encontrar preciosidades nas músicas. Faz um mês mais ou menos que ando escutando os dois primeiros cd's do Kings of Leon, praticamente todos os dias no carro. De tanto escutar, já percebi até a risada do vocalista, entre uma música e outra, um suspiro e até uma tossida que escapou...

Mas hoje deixei o cd rolar até o final e achei uma música perdida por lá. É Talihina Sky e diz mais ou menos isso:

"Mas todo mundo diz que esse lugar é lindo
E você seria tão louco para dizer adeus
Mas tudo isto é a mesma cidade lastimável
E eu vou ficar fora, assim eu posso voar"

Busca aí, vale a pena ouvir!

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

O dinheiro e seus melões . . .

pára tudo!!!

quando Portugal, através das letras de José Saramago, passa a elogiar o incentivo do Governo (Lula) Brasileiro à leitura em nosso país, esse mesmo país, colonizado durante séculos pelos portugueses, é porque existe alguma coisa errada, ou neste caso, algo que anda muito certo com nosso mercado de livros por aqui.

Pelo bem ou pelo mal, Saramago analisou apenas o que viu durante sua curta passagem por São Paulo. Entre a preocupação com a exploração sexual infantil, a solidariedade com a tragédia em Santa Catarina, a ironia com um jornalista brasileiro, criticas à Bíblia, os elogios às livrarias que viu, o escritor ainda comenta as "diferenças", como intitula seu post, entre os dois países, se tratando da indústria livreira.

aí, ele diz:

"a indústria livreira do país irmão é uma coisa séria, bem estruturada, que, além dos seus méritos próprios, que não são escassos, conta com apoios do Estado para nós inimagináveis. O governo brasileiro é um grande comprador de livros, uma espécie de “mecenas” público sempre pronto para abrir os cordões à bolsa quando se trate de abastecer bibliotecas, estimular as actividades editoriais, organizar campanhas de difusão de leitura que se caracterizam, como tive ocasião de constatar, pela eficácia das estratégias publicitárias. Todo o contrário do que se passa nestas terras lusas em muitos aspectos ainda por desbravar, à espera de um sinal, de um plano de acção, e também, se se me desculpa o comercialismo, de um cheque. O dinheiro, diz a sabedoria popular, é aquilo com que se compram os melões. E também os livros e outros bens do espírito, Senhor Primeiro-Ministro, que, nestes particulares da cultura, tem andado bastante distraído. Para nosso mal"

ok. Saramago. a Livraria Cultura é linda é qualquer canto do país. há muito o que se fazer por bibliotecas públicas e apoiar a produção independente de livros . mas do alto dos seus 86 anos, o português ainda deve utilizar da velha: vivendo e aprendendo...

e a gente também continua aprendendo com ele.



LinkWithin

Related Posts with Thumbnails