segunda-feira, 29 de junho de 2009

final de semana

bacia de milho estourado. francês no dvd. vinho na taça. cobertor de lã. moletom usado. meia sem elástico. apelidos toscos. remela no olho(alheio). suspiro no pescoço. segredo no ouvido. boa noite amor. bom dia querido. louça na pia. pizza no forno. preguiça de sair. de pensar. de falar. e a incrível vontade de juntar as escovas de dentes outra vez...

pois é.
quando se imagina que acabou. começa tudo denovo e de novo!





resoluções...

já fizeram suas resoluções pro segundo semestre?

a minha primeira é a matricula no francês!!


resultado

foi então que ela colocou todas aquelas musiquinhas pra tocar.
uma de cada. escutou todas.
lembrou de todas as letras.
lembrou de cada detalhe.
de cada dia.
de cada noite.
voltou em alguns trechos e no tempo.
passou adiante outros tantos.
algumas deixou tocar umas cinco vezes seguido.
a intenção era saber o que ainda poderia acontecer
e o resultado?
nem uma 'cósquinha' sequer conseguiu sentir...


terça-feira, 23 de junho de 2009

drexler!

então.
denovo. outra vez. novamente.
é hora de encontrá-lo e relembrar.
então aí passa o filme na cabeça mais uma vez.
volta tudo e congela o tempo.
escutá-lo cantando guitarra y voz em um carro desconhecido pela zona norte.
como das vezes em que pegar o trem de Clot até Montmeló era divertido. acompanhá-lo cantando quando a vontade mesmo era de chorar sozinha todo o caminho de volta de parets del valles, ou ouvi-lo em um computador perdido na sardenya. ou escutá-lo naquele caminho de drassanes até sants e suas inumeras conexões.
a companhia para pedalar pela rambla. catalunya e diagonal.
a companhia nos dias no raval e do sol batendo na janela aberta. e os gatos se enrolando na cortina. e dos convites pro montjuic. e o cinema escondido...
quando era trilha sonora naqueles insólitos encontros. quando a respiração dele confundia-se com a dele. quando o acento era igual. e ficava impossivel escutar um e não lembrar de outro.
ao lembrar da cara de surpresa dele,quando disse que gostava de drexler.
parece que algo começava.
quando o lençol era pequeno, o sofá era branco de couro e a pizza queimava no forno, quando perdiamos a pressa de comê-la.
e ao partir, sentir seu abraço e saber que continuava me acompanhando nos fones de ouvido.
dos beijos em sants e acenos enquanto o metro ia cada vez mais rápido.
e dos encontros na porta do prédio.
ou quando escutava com jarabe cantando que bueno que bueno.
quando tudo na verdade era bueno e bueno de verdade.

tenho claro que o sinto mais perto cada vez que drexler se aproxima.
e ele sabe disso também...



Jorge Drexler - Cara B em Barcelona!!

gripe

a gripe me pegou de vez. não consigo nem pensar, não consigo nem escrever...

domingo, 21 de junho de 2009

confesso...

comecei ver o Divã e acabei dormindo no sofá...


quinta-feira, 18 de junho de 2009

buteco

se eu sou cozinheira, o mendes é o tio atrás do balcão do buteco que vende cachaça fiada pros bêbados da esquina...

efeito

De tempos em tempos surge uma inquietação tão grande que acelera o coração, aperta o peito, agita ainda mais o sangue, me engasga, sufoca, tranca a garganta. faz tremer as mãos, faz tremer as pernas, que faz tremer o corpo inteiro. Ao mesmo tempo em que dói a cabeça, gela a a espinha, a orelha e as pontas dos pés. Consegue descontrolar meus passos, cambalear as pernas, trocar as palavras. me faz falar sem pensar, agir sem falar, pensar e não agir, falar e não dizer nada com nada.

É a mesma inquietação que arrepia meus pelos, abre todos os poros, que tensiona os músculos e contrai todos os nervos. É ela que embrulha o estomago, dá frio na barriga, congela o cérebro e dispara o coração. A mesma que me faz acender todas as luzes, apagá-las em seguida e me faz acender todas novamente. é a que me leva a acender um cigarro atrás do outro, esquecer as chaves, esquecer da comida, do horário, dos outros. Só não deixa eu esquecer de ti.

É essa inquietação que me faz querer acelerar tudo, correr contra o tempo, que me impulsiona a querer sair do lugar com o carro apagado. É ela que me deixa intolerante, que inibe o que sinto, me faz roer os tocos das unhas feitas ontem!

É ela que me deixa completamente cega, surda, muda, tudo exatamente ao mesmo tempo. Alguém já a definiu como tensão pré alguma coisa. Qualquer coisa! seja como for, qualquer coisa deve ser pouca coisa perto das vésperas de te ver. é ela que me deixa contando os segundos, os quebra molas e os sinais verdes e livres. a mesma que me faz olhar o espelho 15 vezes antes de sair pra rua, a mesma que me faz te enxergar na rua num sábado escuro à noite. É ela que consome todos os meus pensamentos durante parte dos meus dias.

me faz querer tudo pra ontem, me deixa fora do ar e me corrói. faz esquecer as horas, das normas, das formas, das fórmulas, das declarações de amor e do mundo lá fora. Ela que me desloca, me embaraça a visão e me consome por dentro.

De tempos em tempos ela surge. E demora cada vez mais pra passar. uma pena é já estar viciada no unico remédio que resolve. Ele já nem faz mais efeito.



segunda-feira, 15 de junho de 2009

recuerdos...

confesso.
ta dificil de pegar no sono.
vira . revira . lembra . relembra e nada do sono chegar.

nas lembranças... algumas coisas engraçadas. uma mistura de um tempo bom, com certa nostalgia e uma musica do Klaus e Vanessa que não deixava de tocar por ali...
(nada é perfeito)
uma pena, a seleção musical não era feita por mim.
mas ela gostava e sempre repetia umas duas ou três vezes durante o dia.
lembranças confusas . muitos dias de sol . chimarrão e alguns poucos dias de frio .
mas sempre animados.
mais ou menos como meu estado de espírito na última semana.
pois é. relembrar dá nisso.

e o presidente...

Achei essa notícia perdidinha no site da Zero Hora, mas me pareceu muito interesante

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Sobre blogs e petróleo...

O zum zum zum desta semana foi o blog da Petrobras, criado há algumas semanas. O assunto deu muita repercussão depois que a empresa resolveu publicar, na íntegra, todas as perguntas feitas pelos jornalistas e principalmente as respostas emitidas pela Petrobras e, obviamente, editadas pelos jornais.

O fato é que os jornais e alguns jornalistas ficaram loucos com a atitude e justificaram que a empresa estava ferindo um dos princípios básicos do jornalismo: a exclusividade.

Bem, convenhamos, nem tanto ao céu, nem tanto a terra. A Petrobras não inventou a roda utilizando um espaço gratuito na internet para mostrar sua versão sobre determinados fatos. Exagero é defender que tal publicação é uma revolução, como dizem por aí. Menos, bem menos. Nem tampouco os chiliques da imprensa são justificáveis a ponto de dizer que a Petrobras está inibindo a atuação dos jornalistas e atacando a liberdade de imprensa. Menos, beeem menos, por favor. A empresa até recuou da decisão e irá publicar as perguntas e respostas no blog no mesmo instante em que os veículos também publicarem suas matérias.

A atitude da Petrobras é importante, utilizando o espaço para mostrar sua versão. Já que se trata de uma empresa pública nada mais interessante que mostrar ao público tudo, ou quase tudo, que acontece por lá. E acho que o grande mérito está no fato de a Petrobras lançar o blog relacionado ao tema da CPI. É de se admitir que foi sim uma grande sacada pra amenizar todo o estresse envolvendo o assunto.

Mas transparência real na internet não existe. Ou alguém acha que um blog, mesmo que seja pessoal, é totalmente verdadeiro? que dirá um blog de uma empresa, mesmo ela sendo pública.

Transparência na internet só existe no anonimato. E aí, qual a vantagem? Um blog pessoal, por exemplo. Alguém vai ser louco suficiente pra falar diretamente mal do chefe em um post? Admitir que traiu o marido? Ou, ainda, assumir sua preferência sexual? Que nada. Todo mundo sente medo da reprovação, do olhar alheio e das conseqüências por ser tão sincero.

É Pura ilusão. Se no dia-a-dia as pessoas não são suficientemente sinceras e verdadeiras, porque esperar que na internet, em um blog público, elas seriam? O ser humano age conforme beneficia os seus próprios e exclusivos interesses.

Não dá pra deixar de lado e esquecer que o conteúdo do blog é feito, produzido e publicado pela assessoria de imprensa da Petrobras. Logo, os interesses da empresa são mostrados da forma que a assessoria acha que devem ser mostrados. A Petrobras conseguiu o que queria, divulgar o blog e a versão da empresa e ainda conseguiu que a maioria das pessoas aprovasse a idéia. Mas não dá pra se iludir achando que o blog vai mostrar com toda transparência tudo o que acontece lá no fundinho das negociações, nos contratos, nos patrocínios feitos pela empresa.

Se nem a água que bebemos hoje em dia, com tanto produto químico e industrialização é verdadeiramente transparente e pura porque acreditaríamos que o Petróleo também deveria de ser?

Com o tema do blog, seria um momento interessante para revisar a qualidade da imprensa e de conteúdo publicado. É momento para pensar porque a imprensa necessita de tantos filtros para apresentar uma notícia. Interessante seria também se esses jornais apresentassem as perguntas feitas por leitores e a respostas dos editores. Certamente ganhariam alguns créditos também.

terça-feira, 9 de junho de 2009

e o domingo...


a sexta feira...

uma possivel festa. um bar obscuro. um numero que não existe. quatro voltas pela osvaldo aranha. farrapos. independencia. protasio. osvaldo denovo.
uma porta que não abria. estacionamento escondido.
joão telles com osvaldo
a fauna ensandecida do ocidente. o nei já havia cantado antes.
fotógrafos. luzes. flashs.
bandas. bandas . arthur de faria. banheiro lotado. fumaça. bandas e bandas
seleção natural.
amigos. conhecidos. amigos de amigos. amigos de conhecidos
heineken. argh. heineken.
toca raul!
a música que não sai da cabeça...
5 da manhã. vangogh.
que sopa o quê. era hora de começar a beber cerveja de verdade.


segunda-feira, 8 de junho de 2009

agulha

então ela juntou num mesmo lugar todas as besteiras que sabia dizer.
versos feitos, rimas faceis, palavras melosas que qualquer bom entendedor com o minimo ou nenhum esforço com certeza entenderia.
encheu de clichê em todas as frases. certo que ia precisar de insulina tão doce e melosa que estava. só pensava na possibilidade dele saber que desejava tê-lo por perto. colado. grudado nela. e isso não era pouca coisa.

então foi enchendo, enchendo e enchendo o máximo que podia encher. buscou no dicionário da sexta série e das felicitações da festa de aniversário de quinze anos tudo o que sabia.
o vocabulário era limitado. tinha dificuldades com leituras. era dificil compreender o que alguns queriam dizer. conseguiu entender a moreninha. mas quando o professor de literatura lhe sugeriu clarice lispector, ficou com o paulo coelho, a leitura de cabeceira da tia mais velha. só o sobrenome da autora já a assustava, imagina se aventurar no mundo de clarice. seria demais pra cabeça.

prencheu todo aquele espaço com seus sentimentos rasos, com a profundidade de uma piscina de bolinhas. encheu encheu e encheu...tudo o que sentia era incrivelmente forte e verdadeiro, tal qual um atilho esticado e uma nota de dois reais e cinquenta, respectivamente.

encheu e encheu. não havia mais espaço. mesmo assim achava que poderia e deveria encher mais. ainda era pouco e insuficente. ja estava cheio. não deu bola. continuou enchendo com tudo o que sentia. tudo simplesmente aparentava ser real e verdadeiro. encheu mais e mais.

por fim acabaram com sua festa e com sua farsa. foi então que mostraram-lhe que tanto esforço para encher aquilo não teve resultado. tudo era incrivelmente tão importante que se perdeu no nada. no vazio. no vácuo. e ela era exatamante semelhante a isso: nada. vazia e perdida no vácuo.

encheu tanto que explodiram.
coitada . ela não contava com a agulha alheia.


Que sirva o chapéu...

Definitivamente é muita besteira pra um mundo só.
Ainda bem que existem algumas músicas que falam melhor o que ando pensando....
Conhece Cartola? Se não, vai no google...

"Preste atenção querida
Embora saiba que estás resolvida
Em cada esquina cai um pouco a tua vida
Em pouco tempo não serás mais o que és

Ouça-me bem, amor
Preste atenção, o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos
Vai reduzir as ilusões a pó.

Preste atenção querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás a beira do abismo
Abismo que cavaste com teus pés"

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Pontada estranha

Adaptado do blog do Fabricio Carpinejar. Um dos mais lindos!


"Ser leal com o amor é não abandonar a tentativa. É esgotar as chances. É não permitir que um “se” seja maior do que um sim. É não experimentar a culpa por não ter feito. Cumpra tudo o que um amor pede – fique quite com a vida. Não haverá aquele remorso pela covardia, omissão, indiferença. 

Se o amor pede, nos retiramos. Quando cedemos o corpo e a alma, ficamos com o corpo. Não se preocupe, alma nasce de novo. 

Ela escolheu não ficar contigo porque você criou a escolha. Antes ela não tinha. Você havia terminado. Agora ela entende que você a queria. Não deixou nenhuma vontade em desuso, nenhuma lembrança em aberto. 

Não se arrependa nunca disso. Gentileza é garantir a escolha, mesmo que a resposta não seja a que desejamos. Levará sua coragem para dentro de suas próximas paixões. Coragem é temperamento, não é interesse. Você não a conquistou, mas se conquistou de volta. 

Um homem só prova que é grande quando não diminui a mulher para se valorizar. Já deixei de ser homem várias vezes com ex-namoradas. Por favor, não me repita. Assim como não irei admitir que sua busca seja confundida com perseguição. Ou fruto de um ciúme doentio. Foi uma declaração de ternura. Pena que não estamos mais acostumados com o romantismo e confundimos fé com obsessão. 

Aprendemos que o amor não tem orgulho, oferece apenas sua fragilidade. Aprendemos que todo apaixonado é bi-polar, procura e hesita quase ao mesmo tempo, arrisca e desiste quase ao mesmo tempo, muda de opinião para reafirmar logo em seguida, sofre escandalosamente para não sofrer seus segredos. 

Talvez você tenha errado em insistir, mas são erros puros, autênticos. Erros educados. Erros que não devem fazer com que se feche daqui por diante. Amor oferecido não se devolve. Não pede recompensa. Não exige final feliz. O amor a ela fará com que ame melhor seus amigos e sua família. Vai migrar delicadamente para quem precisa e sente falta. 

A palavra dá voltas. Ela ainda lembrará a música que escutavam agarrados. Ou não entenderá uma pontada estranha de saudade quando passar o ano-novo na praia da Pipa. 

Ela não pode mais o esquecer. Pode não amá-lo, mas esquecer, não. Há memória depois de uma vida juntos."

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Jaume I

se as coisas andam meio no preto e no branco. que tal um pouco de colorido?
"Recuerdo" de um fim de tarde pela "Calle Jaume I"

E não falo das cores que vem
e tão pouco das cores que ficam
mas daquelas que irão
por isso guardo todas 
no registro dos meus olhos

das cores, as mais bonitas
são aquelas que escondí 
para mostrar-te algum dia...





segunda-feira, 1 de junho de 2009

paris, paris...

a manhã desta segunda-feira foi mais cinza do que deveria .
confesso que o acidente da Air France me deixou meio pra baixo.

imagino que muitos dos que estavam no vôo voltavam pra suas casas, outros viajavam de férias, outros tantos em mais um dia da rotina do trabalho...

o que mais sinto realmente são por aqueles que estavam indo realizar um sonho.
mais ou menos 11 entre dez pessoas desejam conhecer a cidade. mesmo que não seja sua preferência principal, paris ainda desperta em quase todo mundo certo desejo. e deve mesmo. é linda, charmosa e faz parte do nosso imaginário desde pequenos.

quem nunca imaginou tirar uma foto na torre, conhecer a notre dame, o louvre, o arco ou tomar um café na cidade?só pra ficar no clichê...

ai então lembrei da minha viagem e do tempo feio e cinza que me recebeu no charles de gaulle. mesmo assim, fascinada ao chegar, em ouvir francês por todos os lados, eu
encontrava motivos e cores pra me alegrar.
e não foram poucos. mesmo com o tempo chuvoso e frio, muito frio, consegui passar alguns bons dias por lá e voltar realizada.

na minha memória, coisas muito simples: o metrô que tenho fascínio, as ruas do montmartre, o café da amélie, o sinistro museu Les Invalides, as ruas do Marais, junto com o bar do marais, a comida turca no Marais e os amigos malucos que conheci no Marais, a champs e luz, luz, luz...

muita, muita luz...
relembrar da cidade, é lembrar de dias felizes e sonho realizado.

certamente serão dias dificeis para as familias e dias dificeis para franceses e brasileiros.
o ano da frança do brasil poderia ter sido menos traumático.


Charles de Gaulle




I can't explain



Uma música alegre, mas  revela como me sinto...

a todos uma boa semana!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails